Eu sabia que esta viagem à África do Sul era importante, mas não tinha ideia de quão profundamente eu seria afetado pela força e coração das pessoas que encontraria e pela profundidade do cuidado e serviço de todos os professores de Kundalini Yoga. Eu não tinha uma compreensão real do que os alunos e professores na África do Sul haviam experimentado nem dos sacrifícios diários que eles faziam. Passar um tempo nas casas dos treinadores, Pritam Hari Kaur e seu marido Harbhajan Singh, bem como Ravi Kaur, abriu meus olhos para seu amor e serviço.

Antes de vir para a África do Sul, o apartheid era apenas algo que eu havia vivenciado através das notícias e da leitura. Visitar a África do Sul e passar tempo com os professores que estão servindo para curar as feridas e construir a unidade na democracia estabelecida pós-apartheid me mudou e me abriu. Enquanto viajo para trabalhar com nossos professores e treinadores em todo o mundo, meu mundo interior se expande para incluir mais verdades. Estar com os treinadores e professores na Cidade do Cabo, Robertson e Joanesburgo me ajudou a ver o mundo com novos olhos. Abriu meu coração, me mostrando mais do que eu não sabia. Deixe-me compartilhar isso com você.

Um exemplo do serviço que está acontecendo é de uma professora que é advogada judicial por seu trabalho diário e seu serviço é levar Kundalini Yoga para jovens negros na Cidade do Cabo. Por muitos anos, mesmo com os muitos esforços de divulgação, o yoga foi percebido como “apenas para pessoas brancas”. A princípio, foi difícil para mim entender o verdadeiro significado dessas palavras, mas mesmo na minha rejeição do conceito, não entendi o impacto intenso da afirmação “somente para brancos”. Durante a minha visita, compreendi o quão profundamente isso afeta todos os professores, e especialmente os belos jovens da África do Sul.

Tive a oportunidade de visitar o Museu do Apartheid e Constitution Hill , a prisão onde tanto Mahatma Gandhi quanto Nelson Mandela foram presos. Foi aqui que eu realmente aprendi sobre como o apartheid afetava todas as ações da vida cotidiana. Por exemplo, durante o apartheid, mesmo nas prisões, havia regras e benefícios diferentes para o prisioneiro se ele ou ela fosse determinado como branco, mestiço ou negro. Essas foram as três principais classificações feitas pelo governo. Os prisioneiros “brancos” tinham o dobro da comida e tinham proteína e pão; prisioneiros “de cor” tinham ½ da proteína dos prisioneiros “brancos”; e os prisioneiros “negros” não tinham carne nem caldo e metade da quantidade de comida. No dia de Natal, os presos “brancos” receberam bolo e os presos “pretos” receberam uma xícara de café. Tudo na vida durante o apartheid era vivenciado através da cor de sua pele, conforme determinado pelo governo.

Como resultado de 50 anos de apartheid, todos os tipos de yoga foram percebidos como não sendo igualmente acessíveis a todos e que carregam uma enorme montanha de dor e mágoa. Durante anos, os professores e treinadores trabalharam para mudar isso, para alcançar, e agora esses esforços estão aumentando seu sucesso. Os jovens professores de Kundalini Yoga tanto na Cidade do Cabo quanto em Johannesberg estão alcançando novas populações de estudantes para levar essa tecnologia de mudança de vida aos municípios que tanto precisam dela. A arrecadação de fundos está acontecendo, bolsas de estudo estão disponíveis e professores sul-africanos estão sendo treinados como formadores de professores para o futuro. O futuro de todas as pessoas.

Teacher

Deixe um comentário