por Nikhil Ramburn e Sat Bir S. Khalsa, Ph.D.

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença crônica com um curso imprevisível caracterizado por inflamação e neurodegeneração do sistema nervoso central, especificamente desmielinização (as células nervosas do cérebro são envolvidas em mielina, que isola e protege as células e ajuda a acelerar a transmissão nervosa). Esses processos causam sintomas como dor, cãibras musculares, rigidez, espasmos e fadiga. O estresse é um agravante que exacerba a desmielinização. Esse distúrbio é uma condição autoimune (na qual o sistema imunológico do corpo realmente funciona contra suas próprias células e tecidos) e o gatilho responsável por isso é desconhecido. Como a maioria das doenças autoimunes, pacientes do sexo feminino são afetadas 2 a 3 vezes mais frequentemente do que os do sexo masculino. A EM é a terceira causa mais comum de incapacidade nos Estados Unidos em indivíduos de 15 a 50 anos. A morbidade e produtividade prematuras perdidas por essa deficiência resultam em grandes encargos financeiros para o paciente, família e sistema de saúde. A qualidade de vida de um indivíduo também é afetada devido à mobilidade restrita, dor crônica e cognição social prejudicada que, por sua vez, geralmente leva à diminuição da autoestima, ansiedade e depressão. Infelizmente, o tratamento farmacológico é apenas modestamente eficaz e está associado a efeitos colaterais graves, como psicose, convulsões e danos cerebrais. Por outro lado, a psicoterapia convencional é uma parte valiosa do manejo da EM, pois pode ajudar os pacientes a reduzir o sofrimento crônico enquanto melhora a função psicossocial.

Para gerenciar o estresse crônico, alguns pacientes têm praticado terapias complementares, como as Intervenções Baseadas em Mindfulness (MBIs), que proporcionaram melhorias na qualidade de vida, depressão e fadiga. O conhecido programa de redução de estresse baseado em mindfulness (MBSR) e outros MBIs tornaram-se cada vez mais populares no gerenciamento de diferentes aspectos de doenças crônicas nos últimos 30 anos. Embora os estudos publicados sobre MBIs na EM sejam escassos, uma revisão de 2014 baseada em 3 estudos de boa qualidade metodológica com um total de 183 pacientes indicou melhorias na saúde mental e parâmetros físicos, como fadiga. Os efeitos benéficos de uma prática de mindfulness podem estar relacionados a uma diminuição na desregulação emocional e no controle do estresse, conforme observado em níveis mais baixos do hormônio do estresse cortisol. Há fortes evidências de melhora da atividade e alta adesão, bem como redução da fadiga do paciente devido à fisioterapia. No entanto, atualmente não há evidências definitivas para os efeitos do exercício na cognição em pacientes com EM.

A ioga também pode ser uma terapia complementar viável para a esclerose múltipla, pois fornece os benefícios da atividade física e da meditação e também inclui a regulação da respiração, que é conhecida por ser uma estratégia útil para o controle da dor. Além disso, as formas tradicionais de yoga promovem o cultivo da consciência, percepção e espiritualidade que podem ajudar ainda mais os pacientes a lidar com a dor crônica. De fato, a ioga demonstrou ser tão benéfica quanto a terapia de exercícios aeróbicos e pode ser mais prática para alguns pacientes com esclerose múltipla, pois é uma forma de exercício de baixo impacto. Yoga como uma intervenção terapêutica agora é bem conhecido por melhorar resultados como autoeficácia, saúde mental e qualidade de vida em uma variedade de condições e, portanto, é um candidato viável a intervenção para pacientes com EM e foi avaliado como tal.

A primeira revisão de literatura e meta-análise de estudos de yoga para EM examinou sete Ensaios de Controle Randomizado (ECRs) com um total de 670 pacientes. Esta revisão de 2014 foi conduzida por pesquisadores alemães e um pesquisador da Universidade de Ciências Médicas Mashad, no Irã, e revelou benefícios de curto prazo do yoga nos resultados de fadiga e humor. Além disso, os participantes do grupo de ioga relataram menos exacerbações da esclerose múltipla em comparação com os cuidados usuais ou os indivíduos em tratamento com exercícios. No entanto, a pesquisa atual ainda precisa destacar o impacto do yoga em resultados mais objetivos avaliados por médicos, como mobilidade e função cognitiva em pacientes com EM, e há um potencial viés metodológico nos estudos até o momento. Apesar de tais limitações, há evidências encorajadoras de que a ioga é igualmente eficaz como intervenções de exercícios convencionais para melhorar os resultados relatados pelo paciente e avaliados pelo médico.

O primeiro estudo de controle randomizado de ioga na EM foi publicado em 2014 e analisou uma intervenção de ioga de 6 meses em 69 indivíduos que foram randomizados para um dos três grupos: ioga, exercício ou grupo de controle. Aulas semanais de Iyengar Yoga modificadas de 90 minutos incorporaram posturas, incluindo suporte de paredes e cadeiras para explicar a fadiga do paciente, espasticidade e disfunção cerebelar. As aulas enfatizaram a respiração, relaxamento e meditação durante a sessão e os participantes também foram fortemente encorajados a aderir a uma prática diária em casa. Os resultados demonstraram que o programa de ioga melhorou a fadiga no mesmo grau que o exercício tradicional e teve o mesmo nível de adesão do exercício.

Um estudo piloto mais recente realizado em um centro de neuro-reabilitação na Alemanha avaliou o impacto de um programa de 3 semanas de Yoga Integrado e Fisioterapia (IYP) em 11 pacientes. Os participantes receberam uma intervenção que consiste em posturas físicas de ioga, pranayama e meditações juntamente com técnicas de fisioterapia (PT) 5 dias por semana, durante 5 horas por dia. Os pesquisadores notaram uma melhora significativa no tempo de reação visual, bem como nos resultados de saúde mental, como depressão e ansiedade. Infelizmente, este estudo não avaliou os efeitos da ioga e da fisioterapia separadamente e foi limitado por um pequeno tamanho de amostra e pela falta de dados de acompanhamento de longo prazo. Outro estudo publicado em 2016 relatou os efeitos de um programa de ioga de seis meses desenvolvido na Faculdade de Educação Física de Campinas, Brasil. Um total de 12 mulheres que não tinham experiência anterior com ioga foram designadas para um grupo de controle ou treinamento de ioga, onde receberam aulas semanais de ioga de 60 minutos. Os pesquisadores relataram melhora significativa nas medidas de equilíbrio postural apenas no grupo de ioga. É importante ressaltar que as melhorias com a intervenção de ioga foram especialmente aparentes em pacientes com uma pontuação mais alta na escala de status de incapacidade, destacando sua viabilidade para essa população.

Em resumo, os estudos até o momento demonstraram forte eficácia a curto prazo e moderada a longo prazo da ioga no alívio dos sintomas em pacientes com EM sem efeitos colaterais adversos significativos. Pesquisas futuras devem avaliar as mudanças nos parâmetros imunológicos e investigar quais componentes da prática de ioga podem estar fornecendo a maior eficácia para melhorar o resultado do paciente. Além disso, análises de custo-benefício são necessárias para ajudar a justificar a implementação clínica prática do yoga para EM e pesquisas futuras também devem abordar as limitações do pequeno tamanho da amostra e o risco de viés. Esses futuros esforços de pesquisa melhorariam nosso conhecimento dos mecanismos subjacentes do yoga no tratamento da esclerose múltipla e permitiriam que os terapeutas do yoga elaborassem intervenções mais eficazes.

Deixe um comentário