Por Nikhil Ramburn e Sat Bir Singh Khalsa, Ph.D.

A memória de trabalho é um componente do nosso sistema cognitivo responsável por armazenar e processar informações em breves intervalos. Os pesquisadores acreditam que a memória de trabalho é fundamental para o funcionamento cognitivo, pois se correlaciona com vários resultados, como inteligência e desempenho escolar, e está ligada a processos sensoriais básicos. A expansão e o declínio da memória de trabalho ao longo da vida estão relacionados ao desenvolvimento normal e à degradação do córtex pré-frontal (PFC) no cérebro, uma área responsável pelo funcionamento executivo superior.

Nosso estado comportamental e circunstâncias, em qualquer momento, incluindo fatores como nível de estresse, estado de humor e atividade física, parecem desempenhar papéis fundamentais na determinação da qualidade e força da memória de trabalho. Por exemplo, o estresse fisiológico agudo e crônico prejudica a memória de trabalho por meio da diminuição da atividade neuronal do PFC. De fato, o estresse crônico leva a déficits ainda mais profundos na memória de trabalho e eventuais alterações estruturais no CPF, como a atrofia das vias neurais. Além disso, os estados de humor e a produção do neurotransmissor dopamina podem afetar a eficiência da capacidade de resolução de problemas da memória de trabalho.

A memória de trabalho se deteriora com a idade e a doença. De fato, a memória de trabalho está entre as funções cognitivas mais sensíveis ao declínio na velhice, uma vez que o CPF se deteriora mais do que outras regiões do cérebro à medida que envelhecemos. Não surpreendentemente, doenças mentais graves, como esquizofrenia e depressão, também podem diminuir o funcionamento do CPF e, portanto, a eficácia da memória de trabalho. Na aprendizagem infantil, os déficits de memória de trabalho se correlacionam com os desafios de atenção, leitura e linguagem. Felizmente, intervenções comportamentais, como uma ampla gama de atividades físicas, como ioga, tai chi, qi gong, ciclismo, corrida, treinamento de resistência, etc., bem como a meditação, parecem conferir uma melhora/aprimoramento na memória de trabalho. Uma das poucas revisões meta-analíticas para investigar exclusivamente a memória de trabalho encontrou evidências estatisticamente significativas de que a atividade física crônica pode melhorar a memória de trabalho em indivíduos saudáveis, enquanto a atividade física de curto prazo não confere ganhos significativos.

As práticas de meditação da atenção plena também parecem melhorar a memória de trabalho, apesar de seu foco em trazer a mente errante de volta ao momento presente, em vez de atualizá-la constantemente com novos estímulos. Além disso, a meditação protege a memória de trabalho contra os efeitos deletérios do estresse, conforme relatado em um estudo de 2010 com militares do laboratório do Dr. Amishi Jha na Universidade de Miami, Flórida. Uma revisão sistemática de 2016 por pesquisadores da Monash University em Melbourne, Austrália, resumiu e confirmou esses achados. Esta revisão concentrou-se nos resultados após programas de treinamento de 8 semanas, como Redução de Estresse Baseada em Mindfulness (MBSR) e examinou se a memória de trabalho e outras funções executivas melhoraram como resultado dessas intervenções. Os pesquisadores encontraram evidências preliminares para a melhoria da capacidade da memória de trabalho, que pode ser atribuída ao fato de que monitorar a experiência do momento presente é uma habilidade fundamental da prática de atenção plena.

A ioga pode ser outra abordagem complementar eficaz para melhorar a memória de trabalho, pois combina os benefícios do exercício, da meditação e do pranayama (exercícios respiratórios). A ioga também demonstrou melhorar a atenção, reduzir o estresse e a interferência no humor e, portanto, pode proteger contra déficits de memória de trabalho. Vários estudos do prestigioso laboratório do Dr. Edward McAuley da Universidade de Illinois focaram na relação entre yoga e cognição. Em um estudo de 2014, 30 participantes do sexo feminino em idade universitária completaram uma sessão de exercícios de ioga e uma sessão de exercícios aeróbicos em esteira em dias separados. Os resultados mostraram pontuações significativamente mais altas em tarefas de memória de trabalho após o exercício de ioga em comparação com as condições aeróbicas e basais. Mais recentemente, em 2016, os pesquisadores do laboratório McAuley analisaram os efeitos de uma intervenção de ioga de 8 semanas em idosos sedentários (com média de 62 anos). Os participantes foram randomizados para uma aula de hatha yoga três vezes por semana, que incluiu poses de ioga, meditação, respiração e mantra ou um grupo de controle de alongamento. Os resultados mostraram um melhor desempenho da memória de trabalho no grupo de ioga, que parecia ser mediado pela diminuição do estresse, conforme determinado por medidas de resultados, como níveis de cortisol salivar. Essa evidência encorajadora aponta para o potencial do yoga para diminuir o declínio cognitivo em adultos mais velhos, protegendo seu CPF dos efeitos do estresse.

Um estudo de referência em 2017 por pesquisadores do Departamento de Psicologia da Texas State University teve como objetivo avaliar o impacto do yoga em subconstrutos específicos da memória de trabalho, como tarefas de ‘manutenção’ e ‘manipulação’. Os subtestes de memória de trabalho podem diferenciar e avaliar entre armazenamento de curto prazo (manutenção) e manipulação de informações relevantes para a tarefa de armazenamento de curto e longo prazo (manipulação). Quarenta e três indivíduos saudáveis (8 homens, 35 mulheres) participaram de 6 sessões de aulas de ioga de 60 minutos. O programa de hatha yoga consistia em asanas (exercícios de yoga) ligados a pranayama (exercícios respiratórios) e concluído com meditação mindfulness em repouso supino. Esta intervenção de ioga foi associada a melhorias nas medidas de memória de trabalho de ‘manipulação’ e ‘manutenção’, bem como pontuações aprimoradas de atenção plena. Este estudo fornece informações valiosas sobre o potencial do treinamento de ioga para aprimoramento cognitivo.

Outro estudo notável investigou os efeitos da combinação de ioga e treinamento de memória de trabalho entre adultos saudáveis de meia idade. Pesquisadores da Universidade Manipal em Mangalore, na Índia, distribuíram aleatoriamente um total de 45 participantes em 3 grupos. O grupo 1 recebeu treinamento de ioga e memória de trabalho, enquanto o grupo 2 recebeu apenas treinamento de memória de trabalho e o grupo 3 foi o controle sem treinamento. Tanto o treinamento de memória de trabalho quanto as intervenções de ioga duraram 45 minutos, uma vez ao dia por 10 sessões. As aulas de ioga consistiam apenas em pranayama, mudras (posições das mãos) e mantra (cantar OM) por seus conhecidos efeitos benéficos nas habilidades cognitivas. Asana não foram incluídas, o que pode de fato aumentar a adesão em adultos de meia-idade e requer menos espaço para desempenho. Enquanto o treinamento da memória de trabalho resultou em resultados positivos nas habilidades cognitivas, como esperado, o grupo combinado de ioga e memória de trabalho (grupo 1) mostrou benefícios ainda maiores nas mesmas medidas. Isso pode ser devido aos benefícios adicionais proporcionados pela prática de yoga, como aumento do estado de alerta e diminuição do estresse.

Em resumo, os estudos até o momento forneceram evidências preliminares de que a prática de ioga pode resultar em melhora da memória de trabalho em adultos saudáveis, mesmo quando comparada às tarefas convencionais de treinamento de memória de trabalho. Pesquisas futuras devem abordar as limitações de estudos anteriores, que incluem amostras pequenas e falta de avaliações de acompanhamento de longo prazo. Também seria importante avaliar a resposta de outras populações, como crianças e indivíduos com déficits de memória de trabalho conhecidos. Em última análise, futuros ensaios de pesquisa de memória de trabalho também esclarecerão a contribuição relativa para a eficácia dos diferentes componentes do yoga, como posturas físicas, técnicas de respiração e meditação. Esses estudos futuros melhorariam ainda mais nosso conhecimento dos mecanismos subjacentes do yoga na função cognitiva e, idealmente, consistiriam em ensaios controlados randomizados maiores e baterias neuropsicológicas mais abrangentes.

Teacher

Sign up form for Mexico Hybrid


Sign up form for Mexico Hybrid

This will close in 0 seconds