Por Nikhil Ramburn e Sat Bir Singh Khalsa, Ph.D.

O Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2), também chamado de diabetes do adulto, é uma doença metabólica que anteriormente era diagnosticada apenas na meia-idade, mas agora está afetando adultos mais jovens e até crianças. Esse distúrbio é caracterizado por defeitos na produção e ação da insulina, resultando em níveis elevados de glicose no sangue, o que pode levar a graves consequências médicas. As complicações a longo prazo do diabetes são responsáveis por mais casos adultos de perda de visão, doença renal terminal e amputações do que qualquer outra doença. Além disso, o diabetes aumenta significativamente o risco de doenças cardiovasculares e pode estar ligado ao câncer. O DM2 é em grande parte uma doença de estilo de vida causada por atividade física inadequada, dietas ricas em alimentos altamente processados e açúcares refinados e níveis elevados de estresse de vida. Vinte e oito milhões de pessoas nos Estados Unidos têm DM2, e mais de 80 milhões são considerados de alto risco de desenvolvê-lo, um estado chamado pré-diabetes ou síndrome metabólica. Em todo o mundo, estima-se que mais de 350 milhões de pessoas tenham DM2, uma doença que afeta muitos países em desenvolvimento com recursos limitados.

O alto custo e a eficácia relativamente baixa do tratamento convencional resultaram em um ônus econômico estimado em US$ 322 bilhões anualmente nos Estados Unidos. O tratamento convencional visa controlar os níveis de glicose por meio de medicamentos, educação e esquemas de mudança de comportamento. No entanto, a mudança de comportamento é notoriamente difícil de implementar porque as mesmas condições ambientais e sociais que deram origem ao comportamento causador da doença ainda estão em vigor. As desvantagens do tratamento farmacêutico incluem dependência, resistência e efeitos adversos a longo prazo. Consequentemente, tem havido uma busca concentrada por tratamento não farmacêutico e medidas preventivas. Tratamentos comportamentais, como intervenções no estilo de vida que abordam os fatores de risco da obesidade e atividade sedentária, reduzem o desenvolvimento de diabetes em até 58% e diminuem a necessidade de medicamentos. No entanto, as atuais intervenções convencionais de estilo de vida comportamental têm eficácia limitada; este é um fator que provavelmente pode ser melhorado com yoga.

As intervenções de ioga abordam vários fatores de risco do DM2 e trazem uma abordagem holística muito necessária para o tratamento do DM2. Na ioga, os exercícios físicos estão ligados ao estilo de vida e às mudanças comportamentais que incluem dieta, relaxamento e controle do estresse. Um aspecto menos conhecido do yoga é o apoio social que uma aula ou comunidade de yoga fornece e o apoio social está fortemente ligado à melhoria do autocuidado e dos resultados clínicos do diabetes. Yoga é mais conhecido por aumentar a aptidão e a função física, melhorando assim o metabolismo da glicose e a saúde psicológica. Ao mesmo tempo, a ioga promove e apoia a perda de peso e, assim, aborda a obesidade, que é uma das principais causas do aparecimento e das complicações do DM2. Finalmente, os dois resultados mais benéficos e consistentes do yoga são o aumento da consciência do corpo e da mente e a capacidade de lidar com o estresse. Isso leva a uma série de efeitos positivos a jusante, incluindo melhorias em comportamentos saudáveis, prevenção de comportamentos não saudáveis, melhores ciclos de sono, estado neuroendócrino equilibrado, função metabólica melhorada e respostas inflamatórias reduzidas. Há pesquisas convincentes que mostram que o yoga melhora a atenção plena e a consciência do corpo e da mente, e isso pode encorajar os indivíduos a gravitar para comportamentos saudáveis, como exercícios e escolhas alimentares saudáveis, e longe de hábitos não saudáveis, como consumir junk food. Isso tudo se deve à sua experiência aprimorada dos efeitos positivos desses comportamentos. Evidências sugerem que o estresse pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento do diabetes, razão pela qual as técnicas de relaxamento, como as encontradas na ioga, podem servir como um complemento muito eficaz para outras modificações no estilo de vida. Portanto, há todas as razões para acreditar que o yoga deve ser eficaz na prevenção e tratamento do DM2.

Regulação metabólica
Estudos avaliando intervenções de ioga em pacientes com DM2 descobriram que a ioga normalizou as funções metabólicas que resultaram em aumento da sensibilidade à insulina, tolerância à glicose e melhora do perfil lipídico. Esses efeitos benéficos do yoga no controle glicêmico estão bem documentados. Uma revisão recente no International Journal of Yoga Therapy analisou as evidências dos benefícios do yoga em adultos com DM2. Estudos revisados por pares publicados entre 1970 e 2006 analisaram os efeitos do yoga sobre os fatores de risco de diabetes e diabetes em uma ampla gama de resultados, como resistência à insulina, intolerância à glicose, pressão arterial elevada e excesso de peso corporal. Cada um desses fatores está fortemente implicado no desenvolvimento e progressão do DM2. Apesar da variabilidade considerável no desenho, nas medidas clínicas e nas populações-alvo, a maioria dos estudos relatou mudanças positivas em pelo menos um dos desfechos relacionados ao DM2 e também nos desfechos clínicos. A revisão mais recente da pesquisa sobre yogaterapia para DM2 foi publicada este ano por Kim Innes, da West Virginia University, no Journal of Diabetes Research. Os pesquisadores encontraram 33 artigos relatando resultados de 25 estudos controlados (12 deles ECRs) representando 2.170 sujeitos de pesquisa participantes e concluíram que “coletivamente, os resultados sugerem que as práticas de ioga podem promover melhorias significativas em vários índices de importância no manejo do DM2, incluindo o controle glicêmico , níveis lipídicos e composição corporal. Dados mais limitados sugerem que a ioga também pode diminuir o estresse oxidativo e a pressão arterial; melhorar a função pulmonar e autonômica, humor, sono e qualidade de vida; e reduzir o uso de medicamentos em adultos com DM2.”

Melhor sensação de bem-estar
Em um estudo piloto conduzido por Shanti Shanti Kaur Khalsa e Guru Parkash Kaur do Guru Ram Das Center for Medicine and Humanology (fundado por Yogi Bhajan em Espanola, Novo México para aplicar as práticas de Kundalini Yoga para populações terapêuticas), eles aplicaram 3 questionários avaliar a eficácia de um programa de intervenção de 8 semanas de Kundalini Yoga e estilo de vida em pacientes diabéticos. Uma delas foi a Auditoria de Qualidade de Vida em Dependentes de Diabetes, que mede a percepção dos indivíduos sobre o impacto do diabetes em sua qualidade de vida. Melhoria na qualidade de vida foi medida em 9 de 11 participantes. A segunda escala foi o Perfil dos Estados de Humor que consiste em subescalas que medem os seguintes humores: raiva, confusão, depressão, fadiga, ansiedade e vigor. Houve melhora estatisticamente significativa em todos os estados de humor acima após a participação no programa de diabetes. A terceira medida foi a Avaliação Funcional da Terapia de Doenças Crônicas – Bem-Estar Espiritual, que mede tanto um fator de fé quanto um fator de significado e paz. Houve uma melhora estatisticamente significativa no bem-estar espiritual após a participação no programa de diabetes, conforme medido por esta escala. A avaliação mostrou que a maioria dos participantes achou os componentes do programa extremamente úteis, especialmente nas áreas de humor, controle do estresse, qualidade de vida e capacidade de relaxar. Embora tais descobertas apoiem a eficácia do yoga como uma intervenção terapêutica para melhorar a qualidade de vida e o gerenciamento do estresse, são necessários maiores ensaios de controle randomizados para fundamentar os resultados.

Auxiliar no controle dos níveis de glicose
Há agora um número crescente de estudos com amostras maiores mostrando que a ioga pode ter um impacto positivo no diabetes. Por exemplo, um estudo indiano recente de 2015 destaca a eficácia do yoga no controle dos níveis de glicose no sangue em pacientes com DM2. O estudo foi realizado no Departamento de Fisiologia e Clínica Diabética de um hospital universitário durante um período de dois anos. Os sujeitos foram 30 pacientes diabéticos do sexo masculino de meia-idade e igual número de voluntários não diabéticos compuseram o grupo controle. A diminuição significativa nos níveis de glicose no sangue após o yoga nos grupos experimental e controle indica o papel potencial do yoga como estratégias preventivas e de tratamento para o DM2. Além disso, há alguma razão para acreditar que a ioga pode rejuvenescer ou regenerar as células beta do pâncreas que podem normalizar a produção de insulina.

Dado seus efeitos positivos na regulação metabólica, bem-estar físico e saúde mental, o yoga pode ser considerado uma terapia adjunta custo-efetiva e não invasiva para o tratamento do DM2. Com poucas exceções, os estudos documentam mudanças benéficas nos participantes do programa de ioga e sugerem melhorias em vários índices de risco mencionados anteriormente, como tolerância à glicose, sensibilidade à insulina, perfis lipídicos, pressão arterial, estresse oxidativo e função pulmonar. No entanto, vários dos estudos atuais têm tamanhos amostrais pequenos que impedem a generalização dos achados. O potencial terapêutico do yoga diante de uma epidemia mundial de diabetes merece pesquisas adicionais, o que exigirá mais financiamento de nossas instituições de saúde pública. Isso provavelmente provaria ser um investimento valioso, uma vez que o tratamento farmacêutico convencional vem com vários efeitos colaterais e eficácia limitada. O yoga é potencialmente um protocolo altamente econômico para tratar e prevenir o DM2, pois aborda as causas subjacentes juntamente com os sintomas.

Deixe um comentário