Por Nikhil Ramburn e Sat Bir Singh Khalsa, Ph.D.

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é uma doença pulmonar inflamatória caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo pulmonar. Enfisema e bronquite crônica são as duas condições mais comuns que contribuem para a DPOC. Os sintomas da DPOC incluem dificuldade em respirar, tosse, chiado no peito e falta de ar. Indivíduos que sofrem de DPOC estão em risco de infecções respiratórias mais frequentes, doenças cardiovasculares, câncer de pulmão e hipertensão pulmonar. A qualidade de vida de um indivíduo também é afetada pela incapacidade de participar das atividades diárias devido à dificuldade em respirar e isso pode levar ao sofrimento psíquico e à depressão. A principal causa da DPOC é a exposição prolongada a irritantes pulmonares que danificam os pulmões e o irritante mais comum é a fumaça do cigarro. Outros fatores de risco de estilo de vida incluem falta de atividade física, um padrão de respiração superficial e rápido e estresse psicológico. De fato, o estresse é uma causa comum de surtos em pacientes com DPOC, pois o próprio estresse pode causar falta de ar e respiração mais rápida.

A DPOC é a terceira principal causa de morte nos EUA, atrás apenas do câncer e das doenças cardíacas, e mais de 3 milhões de americanos são diagnosticados com a doença a cada ano. As estimativas atuais sugerem que a DPOC custa à nação cerca de US$ 50 bilhões anualmente em gastos diretos e indiretos com saúde. Além da grande carga sobre o sistema de saúde, os custos econômicos da DPOC são agravados pela perda de produtividade devido à morbidade e mortalidade prematuras, tornando essa condição um grande problema de saúde pública. Infelizmente, os métodos convencionais de tratamento são apenas de eficácia limitada para esta condição, uma vez que os medicamentos existentes não modificam a deterioração da função pulmonar a longo prazo. A crescente prevalência da DPOC exige que desenvolvamos intervenções comportamentais eficazes que vão além do tratamento sintomático e se concentrem na reabilitação. Embora o exercício aeróbico e o treinamento de força sejam intervenções comportamentais moderadamente eficazes, a ioga e a respiração iogue especialmente controlada (pranayama) demonstraram melhorar a frequência respiratória, os níveis de oxigênio no sangue e a qualidade de vida geral em pacientes com DPOC.

Vários dos fatores da doença podem ser abordados por uma intervenção terapêutica de ioga. A ioga pode ser uma terapia benéfica para a DPOC porque envolve atividade física junto com a regulação da respiração e tem benefícios de redução de estresse bem documentados. De fato, o treinamento de ioga reduz a frequência respiratória e aumenta a força dos músculos respiratórios. Sabe-se que a respiração yogue lenta, abdominal, é mais eficiente na troca gasosa de oxigênio e dióxido de carbono por meio da abertura e expansão mais profundas dos pulmões. Além disso, a ioga diminui a excitação autonômica e a frequência cardíaca, enquanto reduz a depressão, a ansiedade e os ataques de pânico. O yoga também promove hábitos de comportamento saudáveis, que podem contribuir para a redução de fatores de risco do estilo de vida, como o tabagismo. Finalmente, a ioga pode ajudar os pacientes com DPOC a ganhar confiança de que podem controlar sua respiração, o que, juntamente com o aumento do desempenho físico, pode melhorar significativamente sua qualidade de vida.

Portanto, não é surpreendente que as técnicas de pranayama tenham demonstrado potencial terapêutico no tratamento da DPOC. Em um estudo de caso-controle, realizado em uma instituição terciária na Índia, 50 indivíduos com DPOC moderada a grave foram divididos em um grupo de intervenção e um grupo controle. Metade dos indivíduos foram treinados em pranayama por 30 minutos duas vezes ao dia enquanto recebiam a medicação habitual, enquanto o grupo controle recebeu apenas o tratamento médico habitual. Os resultados foram avaliados após 3 meses e o braço de intervenção revelou melhora significativa no teste de avaliação da DPOC e no teste de caminhada de 6 minutos, enquanto o grupo controle não apresentou tal melhora. Pesquisadores sugeriram que o pranayama resulta em vários mecanismos de eficiência pulmonar, como a reabilitação de vias aéreas não funcionais ou fechadas. Além disso, como o pranayama promove a respiração abdominal, ele alivia o diafragma respiratório, melhora a oxigenação e aumenta a circulação geral. O pranayama também desobstrui as vias aéreas e melhora a ação ciliar, o que ajuda a combater as secreções mucosas. Consequentemente, a inflamação sistêmica é reduzida e suas manifestações também. Portanto, estilos/práticas de ioga mais tradicionais que incluem o pranayama como componente-chave provavelmente serão uma estratégia de tratamento melhor do que o uso de exercícios físicos de ioga sozinhos.

Na primeira meta-análise e revisão de pesquisas sobre a eficácia do yoga para a DPOC, Liu et al. analisaram cinco ensaios clínicos randomizados (ECRs) de 1978 a 2012, que abrangeram 233 participantes. O tamanho da amostra por ECR variou de 30 a 100 indivíduos por estudo e a duração dos estudos variou de 12 semanas a 9 meses. Todos os ensaios revisados incluíram pranayama sozinho ou com posturas de ioga e os resultados revelam melhorias em uma variedade de medidas que demonstram melhor capacidade pulmonar, ventilação e capacidade de retenção de ar após a prática de ioga de curto prazo. Além disso, estudos sugeriram que o treinamento de ioga pode melhorar a capacidade de exercício, prevenir o declínio da função pulmonar, melhorar a qualidade de vida e reduzir a dispneia (uma sensação de respiração insuficiente ou falta de ar) em pacientes com DPOC. No entanto, esses estudos têm várias limitações de design de pesquisa, incluindo o pequeno tamanho da amostra de alguns estudos. Apesar dessas limitações, esses resultados preliminares são encorajadores e indicam que o treinamento de ioga pode ser eficaz na melhora da função pulmonar e da capacidade funcional de exercício em pacientes com DPOC em comparação com a terapia convencional.

O primeiro estudo para medir especificamente os efeitos da respiração do yoga no padrão respiratório e na saturação de oxigênio em pacientes com DPOC foi publicado em 2009. Este estudo piloto foi realizado no Nepal pela equipe do pesquisador italiano de ioga Luciano Bernardi e envolveu 11 pacientes, com idades entre 59 e 80 anos, com DPOC moderada a muito grave. Três dos pacientes eram fumantes, 2 não fumantes e 6 ex-fumantes. Os pacientes praticaram um padrão de respiração yogue completo, profundo e lento, onde foram solicitados a mobilizar em sequência o diafragma, a parte inferior do tórax e, em seguida, a parte superior do tórax durante a inspiração e a expiração. O principal achado é que os participantes apresentaram melhora significativa na saturação de oxigênio (níveis sanguíneos). Para seu crédito, a técnica iogue não foi difícil de alcançar e manter, exigindo no máximo 12 minutos para aprender e os pacientes relataram sentir-se confortáveis durante a sessão. Apesar do pequeno tamanho da amostra e da falta de randomização, este estudo piloto fornece evidências preliminares encorajadoras e encoraja estudos randomizados mais extensos para avaliar os efeitos a longo prazo do treinamento de ioga para pacientes com DPOC.

Um estudo mais recente avaliando yoga para DPOC foi um RCT envolvendo 60 pacientes do Hospital Guru Teg Bahadur em Nova Delhi, Índia. Os 30 sujeitos do grupo experimental praticaram ioga por 2 meses por 45 minutos pela manhã e foram monitorados semanalmente quanto à adesão no laboratório cardiopulmonar. O fator de transferência do pulmão para monóxido de carbono (TLCO), uma medida da capacidade do gás de transferir dos alvéolos para os glóbulos vermelhos, foi registrado nos grupos controle e experimental no início e após 2 meses. Isso é significativo porque a capacidade de difusão é prejudicada na doença pulmonar crônica e esta foi a primeira vez que o efeito dos exercícios de ioga no fator de transferência pulmonar foi avaliado. Os resultados mostraram uma melhora estatisticamente significativa após dois meses de treinamento de ioga, enquanto o grupo controle submetido ao tratamento medicamentoso convencional não teve alteração no TLCO.

Em resumo, os estudos até o momento demonstraram a eficácia a curto prazo da ioga para melhorar a função pulmonar e a capacidade funcional de exercício em pacientes com DPOC em comparação com a terapia convencional. Isso sugere que a ioga pode ser um programa de reabilitação pulmonar útil para pacientes com DPOC. Esta é uma solução econômica e fácil de aprender que aborda as causas subjacentes da DPOC e não apenas os sintomas. Além disso, o yoga oferece os benefícios de aliviar a ansiedade, melhorar a qualidade de vida e prevenir a deterioração dos pulmões e da musculatura devido à inatividade. Pesquisas futuras devem, idealmente, abordar as limitações anteriores de pequenos tamanhos de amostra, falta de estudos de longo prazo e relatórios de dados inadequados e também fornecer informações sobre os mecanismos subjacentes do yoga no tratamento da DPOC. Soluções inovadoras, como as intervenções de Tele-Yoga, onde as aulas são ministradas por videoconferência multiponto, prometem tornar a terapia de ioga ainda mais acessível e econômica para pacientes com DPOC.

Deixe um comentário